Campo de Ourique e Amoreiras

Campo de Ourique e Amoreiras são dois bairros tipicamente residenciais com uma forte componente de comércio, mas quem os visita encontra, além das compras, muitas razões para voltar.

Campo de Ourique e Amoreiras são dois bairros tipicamente residenciais com uma forte componente de comércio, mas quem os visita encontra, além das compras, muitas razões para voltar.

De morfologia plana, as ruas ortogonais de Campo de Ourique estão repletas de lojas de conveniência dirigidas às famílias. As novidades aliam-se aos clássicos, com uma oferta diversificada e inovadora, onde marcam presença projetos de decoração, moda, padarias, pastelarias ou gelatarias. Na restauração, os espaços mais típicos do bairro convivem com conceitos mais arrojados que apesar do “novo estilo” têm fortes argumentos para continuar a alimentar o charme gastronómico da zona.

 

O renovado Mercado de Campo de Ourique, onde o novo respeita o antigo, tem um lugar de destaque no bairro. Além da praça da restauração, com muitas tapas e petiscos, encontra neste espaço tudo o que se espera de um bom mercado: talho, peixaria, florista, frutas e legumes, cafés e bares.
Num bairro com tradição, a história e a cultura não são descurados. Uma das maiores referências é a Casa Fernando Pessoa, instalada num emblemático edifício na Rua Coelho da Rocha onde o escritor habitou nos últimos 15 anos de vida, e que exibe uma exposição permanente sobre a vida e obra do poeta português.
Campo de Ourique é igualmente uma zona de belas igrejas, amplos espaços verdes, como o Jardim da Parada, espaços desportivos e muitas escolas. Um bairro feito à medida das muitas famílias que nele habitam, mas com fortes atrativos para chamar turistas e outros lisboetas. Para aqui chegar, a viagem no Elétrico 28 proporciona uma experiência única.

 

Colada a Campo de Ourique, encontramos a zona das Amoreiras. Marcada pela diversidade do seu edificado, onde prédios antigos se misturam com estilos contemporâneos, esta área central da cidade distingue-se também pela variedade que abriga no seu território: além de edifícios residenciais, encontramos aqui empresas, comércio, hotéis, escolas de referência (como o Liceu Francês), espaços culturais e de lazer.

 

O Complexo das Amoreiras – implantado numa zona elevada e que sobressai no perfil da cidade – constitui o centro nevrálgico deste bairro alfacinha, conferindo-lhe dinamismo e vitalidade. Integra escritórios, habitação e o Amoreiras Shopping Center, o primeiro grande centro comercial em Lisboa (e em Portugal), que ainda hoje continua a ser um dos mais importantes destinos de compras da capital, bem servido de redes viárias e transportes públicos. No seu topo, o Amoreiras 360º Panoramic View oferece um dos mais belos cenários de Lisboa.
A história e cultura também moram nas Amoreiras, onde é possível visitar a Fundação Arpad Szenes-Vieira da Silva e as Galerias Subterrâneas do Aqueduto das Águas Livres, ambos na Praça das Amoreiras, que acolhe um encantador jardim.

 

Expressões Populares
“Rés-vés Campo de Ourique”
A expressão (que significa “ficar à justa” ou “por um triz”) tem várias explicações, mas há duas que geram maior consenso.
Uma faz referência ao terramoto de 1755 e ao violento maremoto que se seguiu, já que as águas atingiram quase toda a cidade, mas ficaram-se pelos limites do bairro, deixando a salvo as pessoas que se refugiaram nesta colina.
A outra, menos comum, faz alusão aos limites do traçado urbano de Lisboa no século XVII que terminavam em Campo de Ourique, mais especificamente na Rua Maria Pia.